Publicado por: masfg | agosto 10, 2010

Especialmente para os alunos das 5ª séries -Escola Municipal Arthur de Mello Teixeira

Um cordeiro a sede matava
nas águas limpas de um regato.
Eis que se avista um lobo que por lá passava
em forçado jejum, aventureiro inato,
e lhe diz irritado: – “Que ousadia
a tua, de turvar, em pleno dia,
a água que bebo! Hei de castigar-te!”
– “Majestade, permiti-me um aparte” –
diz o cordeiro. – “Vede
que estou matando a sede
água a jusante,
bem uns vinte passos adiante
de onde vos encontrais. Assim, por conseguinte,
para mim seria impossível
cometer tão grosseiro acinte.”
– “Mas turvas, e ainda mais horrível
foi que falaste mal de mim no ano passado.
– “Mas como poderia” – pergunta assustado
o cordeiro -, “se eu não era nascido?”
– “Ah, não? Então deve ter sido
teu irmão.” – “Peço-vos perdão
mais uma vez, mas deve ser engano,
pois eu não tenho mano.”
– “Então, algum parente: teus tios, teus pais. . .
Cordeiros, cães, pastores, vós não me poupais;
por isso, hei de vingar-me” – e o leva até o recesso
da mata, onde o esquarteja e come sem processo.
La Fontaine.
Fábulas, 1992.

Contextualizando

1-O que nos permite afirmar que o lobo e o cordeiro eram velhos conhecidos?

2- A fábula apresenta um ensinamento ao leitor. Que ensinamento é este e quem o transmite?

3-Complete a frase, explicando-a com as suas palavras: A razão do mais forte é a que vence no final, pois….

4-Pesquise quem é o autor da fábula.


Responses

  1. muito bom

  2. 1 “Mas turvas, e ainda mais horrível
    foi que falaste mal de mim no ano passado
    2 A razão do mais forte é a que vence no final.
    3 A razão do mais forte é a que vence no final, pois e ela quem vence
    4 La Fontaine.

  3. eles se conhece dei do ano passado

  4. R1:Foi que falaste mal de mim no ano passado
    R2:Arazao do mais forte é que vence no final.
    R3:Que o mais forte sempre vence no final.
    R4:La Fontaine.

  5. nao porque ele esquarteteja o cordeiro

    nao fassa com que os outros oqnao quer que fasem com vc

    a razao do mais forte e quem ganha no final

    la frontai

  6. 1-por que o lobo nao ataca o cordeiro no começo
    2-nao fassa com os outros oq nao quer que fassam com voce
    3-A razao do mais forte e a que vence no final,pois ele e o mais forte
    4-la fontaine

  7. R1:foi que falaste mal de mim no ano passado.
    R2:A razao do mais forte e a que vence no final.
    R3:E que o no final o mais forte que ganha.
    R4:La Fontaire.

  8. ele trans mite um ano 1992

  9. gotei muito profesoramagna

  10. 1- foi que falaste mal de mim no ano passado
    2- infelizmente,a razão do mais forteé que sempre prevalece no final.
    3-que omai9s forte sempre vence no final
    4-la fontaine.

  11. 1)-Que eles falo que o ano passado eles ja se conheciam.
    2)-compartilhamento.
    3)-ele é o vencedor.
    4)-Jean de La Fontaine.

  12. por que o lobo ataca o cordeiro

    nao fassa com os outros o que nao q nao querem
    com vxc

  13. 1)-Que o cordeio disse: -que falaste mal de mim no ano passado.
    2)-Compartilhar as coisas com os outros.
    3)-ele foi o vencedor.
    4)-Jean de La Fontaine.

  14. 1-o lobo disse que tinha conhecido ele no ano passado mas o cordeiro negou tudo pois naquele ano ele nao era nascido
    2-não jugar as pessoas pela sua aparencia.
    3-A razão do mais forte e a que vence no final,pois ele se dedfica mais e é mais forte

  15. 1-É que o lobo disse da briga entre os dois no ano passado.

    2-Não julgar as pessoas sem conhece-lás.

    3-A razão do mais forte e a que vence no final,pois ele se dedica-se mais e fica mais forte.

    4-La Fontaine. autor da fábula 1992.

  16. 1-o lobo disse que tinha conhecido ele no ano passado mas o cordeiro negou tudo pois naquele ano ele nao era nacido.
    2-nao jugar as pessoas pela sua aparencia.
    3-a razao do mais forte e a que vence no final, pois ele se dedica mais e fica mais forte.
    4-La fotaine.autor da fabula 1992

  17. 1:R= Porque algum parente do Cordeiro teria falado mal do Lobo no passsado.

    2:R= Vingança e um prato que se come frio. Quem transmite e o Lobo.

    3:R= A razão do mais forte é a que vence no final, pois os fracos não tem forças para lutar contra os mais fortes.

    4:R= Francês de origem burguesa, nascido na região de Champagne, foi autor de contos, poemas, máximas, mas com as fábulas ganhou notoriedade mundial. Resgatando fábulas do grego Esopo (século VI a. C.) e do romano Fedro (século I d. C.), os textos de La Fontaine não apresentam grande originalidade temática, mas recebem um tempero de fina ironia. O autor francês não só tornou mais atuais as fábulas de Esopo, como também criou suas próprias, dentre elas “A cigarra e a formiga” e “A raposa e as uvas”.

    Contemporâneo de Charles Perrault, freqüentava a corte do Rei Sol – Luís XIV, de onde extraiu informações para sua crítica social. Integrou o chamado “Quarteto da Rue du Vieux Colombier”, composto também por Racine, Boileau e Molière. Participou da Academia Francesa com ingresso em 1683, em que sucedeu o famoso político Colbert, a quem se opunha ideologicamente.

    Estreou no mundo literário em 1654 com uma comédia. A publicação da primeira coletânea de fábulas data de 1668, sucedida de mais 11, lançadas até 1694. No prefácio dessa primeira coletânea, deixa bem clara suas intenções na constituição dos textos: “Sirvo-me de animais para instruir os homens.”

    Morre aos 73 anos sendo considerado o pai da fábula moderna. As narrativas de La Fontaine estão permeadas de pensamentos filosóficos com forte moralidade didática e, apesar de tão antigas, mantêm-se vivas até hoje.

    Adriana de Paula Rezende
    Kathrein Beatriz

    5° Azul

  18. -O que nos permite afirmar que o lobo e o cordeiro eram velhos conhecidos?
    R-Foi o que falaste de mim no ano passado
    2- A fábula apresenta um ensinamento ao leitor. Que ensinamento é este e quem o transmite?
    R-que não podemos falar da vida dos outros
    3-Complete a frase, explicando-a com as suas palavras: A razão do mais forte é a que vence no final, pois….
    Pois ele e o mais dedicado ,esperto, e tem muita sabedoria.
    4-La Fontaine.

  19. 1é que o cordeiro confundio o irmao com o lobo
    2a razão é muito forte
    3ela é tao poderosa
    4La Fontaine

  20. 1)porque eles se conhecia no ano passado
    2)para nao ficar falando da vida dos outros
    3) o cordeiro 4 lq fontaine

  21. eles ja tinham brigados no passado

  22. eram bonamigos rs:1

  23. porque eles eran muintos amigos

  24. que eles erm velhos amigos de muito tempo

  25. porque e uma fabula

  26. pq era uma fabula.

  27. eles se conheseraM NO RIO NO PASADO E GUEM TRASMITE A MALDADE SEMPRE RESEBE O TROCO POR GUE SEMPRE A O FINAL FELIZ
    Jean de La Fontaine (Château – Thierry, 8 de julho de 1621 — Paris, 13 de abril de 1695) foi um poeta e fabulista francês.

    Era filho de um inspetor de águas e florestas, e nasceu na pequena localidade de Château-Thierry. Estudou teologia e direito em Paris, mas seu maior interesse sempre foi a literatura.

    Por desejo do pai, casou-se em 1647 com Marie Héricart, na época com apenas quatorze anos. Embora o casamento nunca tenha sido feliz, o casal teve um filho, Charles.

    Em 1652 La Fontaine assumiu o cargo de seu pai como inspetor de águas, mas alguns anos depois colocou-se a serviço do ministro das finanças Nicolas Fouquet, mecenas de vários artistas, a quem dedicou uma coletânea de poemas.

    Vitor Walisson
    5ª branca

  28. nuca sabendo ira acontesser

  29. nunca sabemos quando vamos vencer

  30. 1:”Mas turvas, e ainda mais horrivel foi que falaste mal de min no ano pasado.
    2: A razão do mais fortew é a que vence no final.
    3: A razão do mais forte é a que vence no final, pois e ele quen vence
    4: La fontaine.

  31. 2 Au aluno que le da um ensinamento

  32. 1: eles eram boms amigos
    2:sim poque era uma fabula.
    3:pois numca sabemos oque ira acomtecer.
    4:o cordeiro

  33. o cordeiro

  34. o cordeiro

  35. 1-eran bos amigos
    2-fabola guem trasmite au leitor e o iscritor
    3-numca se presipite
    4-

  36. (1)porque eles era velhos amigosdeste da ifansia
    (2)amizade e o lodo e o cardeiro
    (3)a amizade e a mas forte
    (4)

  37. pois eles sao amigos de muito tempo

  38. O cordeiro

  39. 1- Que o lobo acho que foi o cordeiro que falou mal sobre ele no ano passado mais ele se enganou-se e pediu desculpa ao cordeiro!

    2- O ensinamento e que nunca deve julgar uma pessoa sem antes conheçe-la!

    3- Porque ele e mais forte e mais resistente,e nao desistO autor Jean de La Fontaine nasceu em Château-Thierry, cidade francesa, na região de Champagne, no dia 13 de julho de 1621 e morreu em Paris no dia 13 de abril de 1695.
    La Fontaine pertencia a uma família tradicional na sua cidade.
    Chegou a completar o curso de Direito, mas desistiu da carreira pois descobriu que não era a sua vocação.
    Em 1641, entrou para o seminário, pouco mais de um ano depois abandonou o mesmo pois perdeu o interesse pela carreira religiosa.
    Aos 26 anos, La Fontaine casou-se, a união durou 11 anos. Após a separação, La Fontaine foi para Paris onde iniciou sua carreira literária.
    Inicialmente escrevia poemas. Sua primeira obra de destaque foi um livro chamado “Contos” em 1665. Nessa mesma época fez parte de um grupo conhecido como “O Quarteto da Rue du Vieux Colombier”, do qual faziam parte La Fontaine, Racine, Boileau e Molière.
    No período de 1664 a 1674, La Fontaine escreveu quase todos os seus contos e fábulas. Também nessa época publicou o romance Psiquê”, o poema “Saint-Malo”, a comédia mitológica “Climene”, e ainda sonetos, baladas, odes e traduções de versos latinos.
    Nas suas fábulas, La Fontaine contava histórias de animais com característica bem humanas, com suas virtudes e defeitos. Assim ele fazia sua crítica usando recursos como a sutileza, a ironia e astúcia e ainda propunha reflexões.
    Em 1684, foi nomeado para a Academia Francesa de Letras. Em comemoração ao seu ingresso na Academia, La Fontaine apresentou aos amigos o primeiro de seus “Discursos a Madame de La Sablière”, obra onde fez uma profunda auto-análise.
    Doze anos depois, já bastante doente, decidiu aproximar-se novamente da religião, chegou a pensar em escrever uma obra sobre a fé mas não chegou a escrever.
    Sua grande obra, “Fábulas”, foi escrita em três partes, no período de 1668 a 1694. Seguiu o estilo do autor grego Esopo, no qual se inspirava na vaidade, estupidez e agressividade humanas, disfarçando estas mesmas características para os animais.
    La Fontaine baseou-se e adaptou diversas fábulas do Esopo, fazendo-as assim serem conhecidas no mundo ocidental.
    Na introdução da sua primeira edição do livro “Fábulas”, La Fontaine escreve: “Sirvo-me de animais para instruir os homens. Procuro tornar o vício ridículo por não poder atacá-lo com braço de Hércules. Algumas vezes oponho, através de uma dupla imagem, o vício à virtude, a tolice ao bom senso… Uma moral nua provoca o tédio. O conto faz passar o preceito com ele; nessa espécie de fingimento, é preciso instruir e agradar, pois contar por contar me parece de pouca monta.”
    e de lutar!
    4-
    4-

  40. 1-sim
    2-sim
    3-nao e fasio a convence algem
    4-La Fontaine
    Jean de La Fontaine era filho de um inspetor de águas e florestas, e nasceu na pequena cidade de Chateau-Thierry. Estudou teologia e direito em Paris, mas seu maior interesse sempre foi a literatura.

    Por desejo do pai, casou-se em 1647 com Marie Héricart, na época com apenas 14 anos. Embora o casamento nunca tenha sido feliz, o casal teve um filho, Charles.

    Em 1652 La Fontaine assumiu o cargo de seu pai como inspetor de águas, mas alguns anos depois colocou-se a serviço do ministro das finanças Nicolas Fouquet, mecenas de vários artistas, a quem dedicou uma coletânea de poemas.

    Escreveu o romance “Os Amores de Psique e Cupido” e tornou-se próximo dos escritores Molière e Racine. Com a queda do ministro Fouquet, La Fontaine tornou-se protegido da Duquesa de Bouillon e da Duquesa d’Orleans.

    Em 1668 foram publicadas as primeiras fábulas, num volume intitulado “Fábulas Escolhidas”. O livro era uma coletânea de 124 fábulas, dividida em seis partes. La Fontaine dedicou este livro ao filho do rei Luís 14. As fábulas continham histórias de animais, magistralmente contadas, contendo um fundo moral. Escritas em linguagem simples e atraente, as fábulas de La Fontaine conquistaram imediatamente seus leitores.

    Em 1683 La Fontaine tornou-se membro da Academia Francesa, a cujas sessões passou a comparecer com assiduidade. Na famosa “Querela dos antigos e dos modernos”, tomou partido dos poetas antigos.

    Várias novas edições das “Fábulas” foram publicadas em vida do autor. A cada nova edição, novas narrativas foram acrescentadas. Em 1692, La Fontaine, já doente, converteu-se ao catolicismo. A última edição de suas fábulas foi publicada 1693.

  41. 1)Que o lobo acho que foi o cordeiro que falou mal sobre ele no ano passado mais ele enganou-
    se e pediu desculpa aocardeiro
    2)O ensinamento e que nunca deve julgar uma pessoa sem antres conheçe-la
    3)Porque e mais forte e mais resistente!
    4)
    Jean de La Fontaine
    Château-Thierry, 1621 – Paris, 1695
    Poeta e fabulista francês. De origem burguesa, estuda Teologia e Direito e acaba por assumir o trabalho paterno como inspector de águas e florestas. Priva com poetas e literatos: Racine, Molière, Boileau e outros. É um típico escritor classicista, no sentido de que o classicismo não propicia a expressão do sentimento, que é o núcleo da poesia lírica. No classicismo os géneros poéticos mais cultivados são o satírico e o didáctico, e em ambos se destaca Jean de la Fontaine.

    Os temas das suas Fábulas não são novos, mas sim herdados da tradição popular, de Fedro e de Esopo, mas são originais os comentários e as digressões, que formam, em palavras da sua autoria, «uma ampla comédia em cem actos diferentes». Mais interessante que a moralidade didáctica destas fábulas é a sua delicada sátira, expressa com métrica variada, segurança linguística e notável perfeição compositiva.

  42. 1-um cordeiro sua sede matava nas Água limpas as Água codo o lobo chegou para Água do rio. 2-o lobo eo carneiro por que nao pode juar os joto pela aparençia. 3-ah_nao jogar oltros pelo parencia. 4-ate o receco

  43. 1-O lobo e o carneiro era boms amigos.
    2-Agente não devemos falar da vida das

  44. 1-foi que falaste mal de mim no ano passado.
    2 -nao podemos falar da vida alheia
    3- A razão do mais forte é a que vence no final, pois sifor mais fote voce vence

  45. Um cordeiro a sede matava
    nas águas limpas de um regato.
    Eis que se avista um lobo que por lá passava
    em forçado jejum, aventureiro inato,
    e lhe diz irritado: – “Que ousadia
    a tua, de turvar, em pleno dia,
    a água que bebo! Hei de castigar-te!”
    – “Majestade, permiti-me um aparte” –
    diz o cordeiro. – “Vede
    que estou matando a sede
    água a jusante,
    bem uns vinte passos adiante
    de onde vos encontrais. Assim, por conseguinte,
    para mim seria impossível
    cometer tão grosseiro acinte.”
    – “Mas turvas, e ainda mais horrível
    foi que falaste mal de mim no ano passado.
    – “Mas como poderia” – pergunta assustado
    o cordeiro -, “se eu não era nascido?”
    – “Ah, não? Então deve ter sido
    teu irmão.” – “Peço-vos perdão
    mais uma vez, mas deve ser engano,
    pois eu não tenho mano.”
    – “Então, algum parente: teus tios, teus pais. . .
    Cordeiros, cães, pastores, vós não me poupais;
    por isso, hei de vingar-me” – e o leva até o recesso
    da mata, onde o esquarteja e come sem processo.
    La Fontaine. Fábulas, 1992

  46. Majestade, permiti-me um aparte” –
    diz o cordeiro. – “Vede
    Mas turvas, e ainda mais horrível
    foi Então, algum parente: teus tios, teus pais. . .
    Cordeiros, cães, pastores, vós não me poupais;
    por isso, hei de vingar-me” – e o leva até o recesso
    da mata, onde o esquarteja e come sem processoque falaste mal de mim no ano passado

  47. Um cordeiro a sede matava
    nas águas limpas de um regato.
    Eis que se avista um lobo que por lá passava
    em forçado jejum, aventureiro inato,
    e lhe diz irritado: – “Que ousadia
    a tua, de turvar, em pleno dia,
    a água que bebo! Hei de castigar-te!”
    – “Majestade, permiti-me um aparte” –
    diz o cordeiro. – “Vede
    que estou matando a sede
    água a jusante,
    bem uns vinte passos adiante
    de onde vos encontrais. Assim, por conseguinte,
    para mim seria impossível
    cometer tão grosseiro acinte.”
    – “Mas turvas, e ainda mais horrível
    foi que falaste mal de mim no ano passado.
    – “Mas como poderia” – pergunta assustado
    o cordeiro -, “se eu não era nascido?”
    – “Ah, não? Então deve ter sido
    teu irmão.” – “Peço-vos perdão
    mais uma vez, mas deve ser engano,
    pois eu não tenho mano.”
    – “Então, algum parente: teus tios, teus pais. . .
    Cordeiros, cães, pastores, vós não me poupais;
    por isso, hei de vingar-me” – e o leva até o recesso
    da mata, onde o esquarteja e come sem processo.

  48. 1“Majestade, permiti-me um aparte” –
    diz o cordeiro. – “Vede
    2que não pode comer as coisas que não devemos
    3por que o ensinamento é nunca deve desrreipeitar o proximo4Fontaine

  49. 1-por que tem historias que eles apareçem
    2-jeande la fontaine
    3-quem que ganho foi o cordeiro
    4-
    Jean de La Fontaine (Château – Thierry, 8 de julho de 1621 — Paris, 13 de abril de 1695) foi um poeta e fabulista francês.

    Era filho de um inspetor de águas e florestas, e nasceu na pequena localidade de Château-Thierry. Estudou teologia e direito em Paris, mas seu maior interesse sempre foi a literatura.

    Por desejo do pai, casou-se em 1647 com Marie Héricart, na época com apenas quatorze anos. Embora o casamento nunca tenha sido feliz, o casal teve um filho, Charles.

    Em 1652 La Fontaine assumiu o cargo de seu pai como inspetor de águas, mas alguns anos depois colocou-se a serviço do ministro das finanças Nicolas Fouquet, mecenas de vários artistas, a quem dedicou uma coletânea de poemas.

    Escreveu o romance “Os Amores de Psique e Cupido” e tornou-se próximo dos escritores Molière e Racine. Com a queda do ministro Fouquet, La Fontaine tornou-se protegido da Duquesa de Bouillon e da Duquesa d’Orleans.

    Em 1668 foram publicadas as primeiras fábulas, num volume intitulado “Fábulas Escolhidas”. O livro era uma coletânea de 124 fábulas, dividida em seis partes. La Fontaine dedicou este livro ao filho do rei Luís 14. As fábulas continham histórias de animais, magistralmente contadas, contendo um fundo moral. Escritas em linguagem simples e atraente, as fábulas de La Fontaine conquistaram imediatamente seus leitores.

    Em 1683 La Fontaine tornou-se membro da Academia Francesa, a cujas sessões passou a comparecer com assiduidade. Na famosa “Querela dos antigos e dos modernos”, tomou partido dos poetas antigos.

    Várias novas edições das “Fábulas” foram publicadas em vida do autor. A cada nova edição, novas narrativas foram acrescentadas. Em 1692, La Fontaine, já doente, converteu-se ao catolicismo. A última edição de suas fábulas foi publicada 1693.

    Antes de vir a ser fabulista, foi poeta, tentou ser teólogo e cafifa. Além disso, também entrou para um seminário, mas aí perdeu o interesse.

    Aos 26 anos casou-se, mas a relação só durou onze anos. Depois disso, La Fontaine foi para Paris, e iniciou sua grande carreira literária. No início, escrevia poemas, mas em 1665 escreveu sua primeira obra, chamada “Contos”. Montou um grupo literário que tinha como integrantes Racine, Boileau e Molière.

    No período de 1664 a 1674, ele escreveu quase todas as suas obras. Nas suas fábulas, contava histórias de animais com características humanas. Em 1684, foi nomeado para a Academia Francesa de Letras.

    Onze anos depois, já muito doente, decidiu aproximar-se da religião. Até pensou em escrever uma obra de fé, mas não chegou a escrevê-la.[carece de fontes?]

    A sua grande obra, “Fábulas”, escrita em três partes, no período de 1668 a 1694, seguiu o estilo do autor grego Esopo, o qual falava da vaidade, estupidez e agressividade humanas através de animais.

    La Fontaine é considerado o pai da fábula moderna. Sobre a natureza da fábula declarou: “É uma pintura em que podemos encontrar nosso próprio retrato”.

  50. 1-eram porque eles tinham muita afinidade um com o outro.
    2-o lobo eo carneiro por que nao pode jugar os outro pela aparençia.
    3-nao jugar os outros pelo parencia
    4- LA FONTAINE

  51. 1-“Mas turvas, e ainda mais horrível
    foi que falaste mal de mim no ano passado.
    2-Quq a vingança é ruim, e que não podemos fazer a ninguém, e nem falar da vida dos outros
    3-A razão do mais forte é a que vence no final, pois….ele é mais forte e mais veloz do que o outro. 4-A razão do mais forte é a que vence no final, pois….
    Jean de La Fontaine (Château – Thierry, 8 de julho de 1621 — Paris, 13 de abril de 1695) foi um poeta e fabulista francês.

    Era filho de um inspetor de águas e florestas, e nasceu na pequena localidade de Château-Thierry. Estudou teologia e direito em Paris, mas seu maior interesse sempre foi a literatura.

    Por desejo do pai, casou-se em 1647 com Marie Héricart, na época com apenas quatorze anos. Embora o casamento nunca tenha sido feliz, o casal teve um filho, Charles.

    Em 1652 La Fontaine assumiu o cargo de seu pai como inspetor de águas, mas alguns anos depois colocou-se a serviço do ministro das finanças Nicolas Fouquet, mecenas de vários artistas, a quem dedicou uma coletânea de poemas.

    Escreveu o romance “Os Amores de Psique e Cupido” e tornou-se próximo dos escritores Molière e Racine. Com a queda do ministro Fouquet, La Fontaine tornou-se protegido da Duquesa de Bouillon e da Duquesa d’Orleans.

  52. Bom eu achei muito bom essa história de fazerem os alunos da 5 séries

  53. Magna,esse ano a escola esta triste sem você parece que nos não estamos no Arthur de Mello Teixeira ,bom Magna mas é assim espero que você volte o mais rápido ,sempre vou lembrar de você daquela professora alegre fada madrinha.Sempre vou lembrar das aulas de Valores Humanos e Ética E CIDADANIA QUE A SENHORA NOS ENSINOU COM MUITO AMOR E CARINHO.BEIJOS DE SEU ALUMO QUE SEMPRE SERA SEU ALUNO QUERIDO DA 5 E 6 SERIES,POIS ME CHAMO IGOR LA DA ANTIGA 6 LARANJA -BEIJOS E ABRACOS QUE DEUS NOS ELUMINE SEMPRE E QUE VOCE CONTINUE SENDO ESSA PESSOA ESPECIAL QUE VOCÊ É .ABRAÇOS-IGOR.

    • Querido Igor!
      Você me deixou emocionada com sua palavras.
      Obrigada pelo seu carinho.

      A vida é assim, um eterno encontro e desencontro. Mas é vida com caminhos, sonhos, saudades…Ha pessoas que passam por nossas vidas e deixam rastros de LUZ você é uma dessas pessoas. Continue assim, companheiro, solidário, estudioso e gentil. O mundo precisa de pessoas assim como você. Tenho certeza que nos caminhos da vida nos reencontraremos.
      Saudade…
      Magna


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: