Lingua Portuguesa Brasileira

No início da colonização portuguesa no Brasil (a partir da descoberta, em 1500), o tupi (mais precisamente, o tupinambá, uma língua do litoral brasileiro da família tupi-guarani) foi usado como língua geral na colônia, ao lado do português, principalmente graças aos padres jesuítas que haviam estudado e difundido a língua. Em 1757, a utilização do tupi foi proibida por uma Provisão Real. Tal medida foi possível porque, a essa altura, o tupi já estava sendo suplantado pelo português, em virtude da chegada de muitos imigrantes da metrópole. Com a expulsão dos jesuítas em 1759, o português fixou-se definitivamente como o idioma do Brasil. Das línguas indígenas, o português herdou palavras ligadas à flora e à fauna (abacaxi, mandioca, caju, tatu, piranha), bem como nomes próprios e geográficos.

Com o fluxo de escravos trazidos da África, a língua falada na colônia recebeu novas contribuições. A influência africana no português do Brasil, que em alguns casos chegou também à Europa, veio principalmente do iorubá, falado pelos negros vindos da Nigéria (vocabulário ligado à religião e à cozinha afrobrasileiras), e do quimbundo angolano (palavras como caçula, moleque e samba).

Um novo afastamento entre o português brasileiro e o europeu aconteceu quando a língua falada no Brasil colonial não acompanhou as mudanças ocorridas no falar português (principalmente por influência francesa) durante o século XVIII, mantendo-se fiel, basicamente, à maneira de pronunciar da época da descoberta. Uma reaproximação ocorreu entre 1808 e 1821, quando a família real portuguesa, em razão da invasão do país pelas tropas de Napoleão Bonaparte, transferiu-se para o Brasil com toda sua corte, ocasionando um reaportuguesamento intenso da língua falada nas grandes cidades.

Após a independência (1822), o português falado no Brasil sofreu influências de imigrantes europeus que se instalaram no centro e sul do país. Isso explica certas modalidades de pronúncia e algumas mudanças superficiais de léxico que existem entre as regiões do Brasil, que variam de acordo com o fluxo migratório que cada uma recebeu.

No século XX, a distância entre as variantes portuguesa e brasileira do português aumentou em razão dos avanços tecnológicos do período: não existindo um procedimento unificado para a incorporação de novos termos à língua, certas palavras passaram a ter formas diferentes nos dois países (comboio e trem, autocarro e ônibus, pedágio e portagem). Além disso, o individualismo e nacionalismo que caracterizam o movimento romântico do início do século intensificaram o projeto de criação de uma literatura nacional expressa na variedade brasileira da língua portuguesa, argumento retomado pelos modernistas que defendiam, em 1922, a necessidade de romper com os modelos tradicionais portugueses e privilegiar as peculiaridades do falar brasileiro. A abertura conquistada pelos modernistas consagrou literariamente a norma brasileira.

Zonas dialectais brasileiras

A fala popular brasileira apresenta uma relativa unidade, maior ainda do que a da portuguesa, o que surpreende em se tratando de um pais tão vasto. A comparação das variedades dialetais brasileiras com as portuguesas leva à conclusão de que aquelas representam em conjunto um sincretismo destas, já que quase todos os traços regionais ou do português padrão europeu que não aparecem na língua culta brasileira são encontrados em algum dialeto do Brasil.

A insuficiência de informações rigorosamente científicas e completas sobre as diferenças que separam as variedades regionais existentes no Brasil não permite classificá-las em bases semelhantes às que foram adotadas na classificacão dos dialetos do português europeu. Existe, em caráter provisório, uma proposta de classificação de conjunto que se baseia – como no caso do português europeu – em diferenças de pronúncia (basicamente no grau de abertura na pronúncia das vogais, como em pEgar, onde o “e” pode ser aberto ou fechado, e na cadência da fala). Segundo essa proposta, é possível distinguir dois grupos de dialetos brasileiros: o do Norte e o do Sul. Pode-se distinguir no Norte duas variedades: amazônica e nordestina. E, no Sul, quatro: baiana, fluminense, mineira e sulina.

Esta proposta, embora tenha o mérito de ser a primeira tentativa de classificação global dos dialetos portugueses no Brasil, é claramente simplificadora. Alguns dos casos mais evidentes de variações dialectais não representadas nessa classificação seriam:
a diferença de pronúncia entre o litoral e o interior do Nordeste; o dialeto da região de Recife, em Pernambuco (PE) é particularmente distinto;
a forma de falar da cidade do Rio de Janeiro (RJ);
o dialeto do interior do estado de São Paulo (SP); e
as características próprias aos três estados da região sul (PR, SC e RS), em particular o(s) dialeto(s) utilizado(s) no estado do Rio Grande do Sul (RS)
O português no mundoO mundo lusófono (que fala português) é avaliado hoje entre 190 e 230 milhões de pessoas. O português é a oitava língua mais falada do planeta, terceira entre as línguas ocidentais, após o inglês e o castelhano.

O português é a língua oficial em oito países de quatro continentes:
Angola (10,9 milhões de habitantes)
Brasil (185 milhões)
Cabo Verde (415 mil)
Guiné Bissau (1,4 milhão)
Moçambique (18,8 milhões)
Portugal (10,5 milhões)
São Tomé e Príncipe (182 mil)
Timor Leste (800 mil).
Europa        Ásia

América do Sul        África

O português é uma das línguas oficiais da União Europeia (ex-CEE) desde 1986, quando da admissão de Portugal na instituição. Em razão dos acordos do Mercosul (Mercado Comum do Sul), do qual o Brasil faz parte, o português é ensinado como língua estrangeira nos demais países que dele participam.

Em 1996, foi criada a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que reúne os países de língua oficial portuguesa com o propósito de aumentar a cooperação e o intercâmbio cultural entre os países membros e uniformizar e difundir a língua portuguesa.
Site de preferência:

http://www.linguaportuguesa.ufrn.br/pt_3.3.b.php

Responses

  1. Após realizar a atividade nas salas de quinta série; sexto ano, oitavo ano e nono ano. Verifiquei o desenvolvimento dos alunos e como eles estão, a partir de então recolhi uma atividade do sexto ano, uma do oitavo e uma do nono ano, a aluna do sexto ano, teve uma nota regular de acordo com a interpretação e resolução da atividade enquanto a do oitavo ano obteve um desempenho muito melhor e tirou uma nota muito boa, enquanto a do nono ano tirou um “B”, visto que a atividade foi única para todos.
    Os alunos não têm o costume de realizar leituras diárias e possuem pouco interesse, mas de acordo com a nossa vivencia, eu costumo levar porta testos, ou seja, retirei de livros didáticos testos variados e chamativos, e de preferência bem pequenos, para disponibilizar o interesse em ler e despertar neles o gosto pela leitura, e também o de criar a sua própria produção textual em diferentes formas, e a atividade para a turma do sexto ano, que foi a que mais encontrou dificuldade, uma vez que são menores e a leitura de mundo ainda é pequena e eles não estão acostumados com a troca de professores e acham ao mesmo tempo estranho e engraçado, mas estão caminhando no aprendizado de acordo com as normas da escola, estranharam esse exercício, mas fizeram, já a turma do oitavo ano, não encontrou barreiras a não ser a preguiça de ler e interpretar, testos e também de pensar, porque acham que só devem raciocinar em matemática, e que a Língua Portuguesa, só estudam gramática, e regras normativas, mas não deixaram de fazer a atividade e conscientizaram que era diferente e poderia ficar interessante a cada passo dado ali, naquele texto novo e diferente.
    Ao fim da atividade relataram que foi diferente e que conseguiram tirar proveito em cima das várias leituras que tiveram oportunidade de fazer com a atividade, e perguntaram se farei outras diferentes, mas que não precisava ser tão concisa, assim cheia de regras e amplitude se não poderia ser mais leve. Então, eu disse a eles que levaria testos menores, e mais interessantes, mas de acordo com cada aluno, o que um acha interessante, o outro já não acha, pois cada um tem um gosto diferente do outro.
    A turma do nono ano forçou uma dificuldade inexistente, uma vez que o nível de aprendizado é bem maior que as outras turmas por estarem bem avançados e conhecem bem mais que os outros e já estão sendo preparados para o ensino médio e ou cursos técnicos que existe em escolas do estado, de forma que não justifica a relutância em realizar a atividade, após um breve diálogo com a turma pude convencê-los que a atividade que eu estava propondo seria apenas um exercício que fariam apenas para analisar a desenvoltura e o que seria novo e diferente a eles por estarem em uma etapa quase concluída, para muitos que vão estacionar no primeiro grau, porque já dá a chance de poder trabalharem na Prefeitura em um serviço comum na sua categoria e não pensam em crescer, fazer o segundo grau e quem sabe até o terceiro grau. Muitos acham impossível freqüentar uma universidade, porque é caro e não possuem condições financeiras para tal, concluíram a atividade, então recolhi uma atividade e pedi que eles trocassem entre si, e avaliassem o colega, de acordo com o seu conhecimento prévio adquirido com a pratica na escola e fora dela, então a partir desse momento, acharam interessante serem professores por um dia, e me disseram que agora ficou interessante, e se podia ser repetida outras vezes, então eu lhes disse que em outra oportunidade realizaremos mais atividades de acordo com o desempenho e oportunidade no espaço de inserir outros tipos de conhecimentos a eles, e começaremos a realizar mais leituras de testos menores e diversificados, ou seja, não só escrito, mas também leitura muda, ( só de figuras) por exemplo um quadro de um pintor conhecido e cada um fazer sua própria interpretação. E também podem ler gibis de diferentes autores não só Mauricio de Souza, charges, tiras de jornais e que também podem levar para a sala para juntos analisarmos, aí a coisa mudou totalmente de figura, o interesse aumentou, porque dei a eles a chance de levar o assunto a ser discutido em sala, desde que organizássemos um assunto por semana, apenas um aluno não se dispôs em fazer nada novo, ficou quieto, calado escutando, mas não opinando como os outros, não demonstrou interesse.
    Espero que nas outras turmas eu possa encontrar interesse dos alunos em aprender coisas novas e também despertar neles a vontade de levar um determinado assunto a ser discutido pela turma, a cada semana, diversificando e saindo do cotidiano, mas não fugindo das normas escolares e cumprindo o cronograma, mas incrementando com algo novo e diferente, onde possa dar ao aluno uma oportunidade amais de aprender com mais facilidade, e numa próxima atividade eles possam estar mais bem preparados para realizar sem demora e tumulto.

    Observação: scanear os três textos e enviar por e-mail para a professora Magna.
    Ps ainda não consegui escanear as atividades para enviar.

  2. Mestre!

    Trago-te um recado de muita gente.
    Houve gente que praticou uma boa ação, e manda dizer-te que foi porque seu exemplo convenceu. Houve alguém que venceu na vida, e manda dizer-te que foi porque suas lições permaneceram. E houve mais alguém que superou a dor, e manda dizer-te que foi a
    lembrança de tua coragem que ajudou.
    Por isso que és importante…
    O teu trabalho é o mais nobre, de ti nasce a razão e o progresso. A união e a harmonia de um povo! E agora… Sorria!!! Esqueça o cansaço e a preocupação, porque há muita gente pedindo a Deus para que você seja muito feliz!!!
    FELIZ DIA DO PROFESSOR A TODOS OS PROFESSORES DESSE BRASILZÃO….
    15 de outubro – Dia do Professor

    Ser Professor é um desafio: À vontade e à motivação.
    Ser Professor é acreditar. Na força dos jovens e nas suas capacidades.
    Ser Professor é querer e Ajudar na formação e educação de nossas crianças.
    Ser Professor é ser o amigo que ajuda incondicionalmente mas que critica construtivamente quando há necessidade.
    Ser Professor é ouvir: O silêncio de um olhar, O barulho de uma lágrima, A alegria de um sorriso ou O calor de um abraço.
    Ser Professor é observar, Perscrutar atitudes, Ler nas entrelinhas,
    Olhar e ver para além do que os olhos alcançam.
    Ser Professor é estar disponível para um sorriso e estender a mão e dizendo “estou aqui”;
    Ser Professor é construir e reconstruir.
    Ser Professor é Ser. Apenas isso.É o que tento. Todos os dias. Um de cada vez. Ensinando e aprendendo; Sorrindo; Desafiando; Acreditando;
    Querendo; Dando a mão; Ouvindo; Abraçando; Observando; Estando; Construindo e reconstruindo; Sendo… Eu própria. Igualzinho a você.

  3. Professora, você viu a parte 1 e me ajudou a transformar em texto, lembra-se?
    Abraços, Luzia

    Web 2.0 Plano de aula

    Tiritas pa este corazón partío.Tiritas pa este corazón partío.
    Tiritas pa este corazón partío.
    (pa este corazón)

    Ya lo ves, que no hay dos sin tres,
    que la vida va y viene y que no se detiene…
    Y, qué sé yo
    Pero miénteme aunque sea,
    dime que algo queda
    entre nosotros dos, que en tu habitación
    nunca sale el sol,
    no existe el tiempo ni el dolor.

    Llévame si quieres a perder,
    a ningún destino, sin ningún por qué.

    Ya lo sé, que corazón que no ve,
    es corazón que no siente,
    el corazón que te miente amor.
    Pero, sabes que en lo más profundo de mi alma,
    sigue aquel dolor por creer en ti,
    ¿Qué fue de la ilusión y de lo bello que es vivir?

    ¿Para qué me curaste cuando estaba herido,
    si hoy me dejas de nuevo con el corazón partío?

    (estribillo)
    ¿Quién me va a entregar sus emociones?
    ¿Quién me va a pedir que nunca le abandone?
    ¿Quién me tapará esta noche si hace frío?
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?
    ¿Quién llenará de primaveras este enero,
    y bajará la luna para que juguemos?
    Dime, si tú te vas, dime cariño mío,
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?

    Tiritas pa este corazón partío.
    Tiritas pa este corazón partío.
    (pa este corazón)

    Dar solamente aquello que te sobra,
    Nunca fue compartir, sino dar limosna, amor.
    Si no lo sabes tú, te lo digo yo.
    Después de la tormenta siempre llega la calma,
    Pero, sé que después de ti,
    Después de ti no hay nada.

    Para qué me curaste cuando estaba herío,
    Si hoy me dejas de nuevo con el corazón partío.
    (estribillo)
    ¿Quién me va a entregar sus emociones?
    ¿Quién me va a pedir que nunca le abandone?
    ¿Quién me tapará esta noche si hace frío?
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?
    ¿Quién llenará de primaveras este enero,
    y bajará la luna para que juguemos?
    Dime, si tú te vas, dime cariño mío,
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?Curativos para este coração partido.
    Curativos para este coração partido.
    (para este coração)
    Você pode ver, que não existem dois sem três,
    que a vida vai e vem e que não se detém…
    E, o que sei eu?
    Mas minta para mim, ainda que seja,
    diga-me que resta algo
    Entre nós dois, que em seu quarto
    nunca sai o sol,
    não existe o tempo nem a dor.
    Leve-me se você quiser, a perder,
    a nenhum destino, sem nenhum por quê.
    Eu já sei que o coração que não vê
    é coração que não sente
    o coração que te mente amor.
    Mas você sabe que no fundo da minha alma,
    Continua aquela dor por crer em você,
    O que aconteceu da ilusão
    e da beleza que é viver?
    Para que me curaste quanto estava ferido
    se hoje me deixa de novo com o coração partido?
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?
    Curativos para este coração partido
    Curativos para este coração partido
    (para este coração)

    Dar somente aquilo que te sobra
    Nunca foi compartilhar, e sim dar esmola, amor.
    Se você não sabe, posso lhe dizer.
    Depois da tormenta, sempre vem a calmaria.
    Mas eu sei que depois de você,
    Depois de você não há nada
    Para que me curaste quanto estava ferido
    Se hoje me deixa de novo com o coração partido
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?
    Curativos para este coração partido.
    Curativos para este coração partido.
    (para este coração)
    Você pode ver, que não existem dois sem três,
    que a vida vai e vem e que não se detém…
    E, o que sei eu?
    Mas minta para mim, ainda que seja,
    diga-me que resta algo
    Entre nós dois, que em seu quarto
    nunca sai o sol,
    não existe o tempo nem a dor.
    Leve-me se você quiser, a perder,
    a nenhum destino, sem nenhum por quê.
    Eu já sei que o coração que não vê
    é coração que não sente
    o coração que te mente amor.
    Mas você sabe que no fundo da minha alma,
    Continua aquela dor por crer em você,
    O que aconteceu da ilusão
    e da beleza que é viver?
    Para que me curaste quanto estava ferido
    se hoje me deixa de novo com o coração partido?
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?
    Curativos para este coração partido
    Curativos para este coração partido
    (para este coração)

    Dar somente aquilo que te sobra
    Nunca foi compartilhar, e sim dar esmola, amor.
    Se você não sabe, posso lhe dizer.
    Depois da tormenta, sempre vem a calmaria.
    Mas eu sei que depois de você,
    Depois de você não há nada
    Para que me curaste quanto estava ferido
    Se hoje me deixa de novo com o coração partido
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?

    Plano de Aula
    Para a aula levar impressa música na versão Espanhol e a tradução.
    Na versão Espanhol apagar algumas palavras para que ao ouvir o aluno possa completar os espaços.
    O trabalho da música nas aulas de Língua Estrangeira tem o objetivo de despertar o gosto por músicas de outra cultura, tornar as aulas menos cansativas, exercitar a audição de palavras pronunciadas com rapidez ( cantadas), incentivar os alunos a ouvir músicas e tentar entender o contexto delas, trabalhar com diversos cantores para diferenciar as pronúncias.
    1- Pedir que os alunos ouçam uma vez e depois perguntar se eles conhecem a música e se sabem quem a interpreta.
    2- Apresentar uma breve biografia do autor, falar da sua cultura, cidadania e dados importantes de sua vida.
    3- Apresentar a letra da música com os espaços para que eles tentem completar. Repetir até 03 vezes.
    4- Apresentar a versão completa e perguntar se eles completaram corretamente.
    5- Deixar que cantem com a letra completa.
    6- Perguntar se conseguiram entender o significado da canção. Ouvi-los.
    7- Perguntar que tipo de emoção sentiram ao cantar a música.
    8- Apresentar a tradução e deixá-los ouvir mais uma vez.
    9- Pedir que produzam um pequeno texto em espanhol falando da sensação ao ouvir a música.
    10- Fazer as correções necessárias respeitando o sentimento de cada um.
    11- Pedir aos alunos que procurem ouvir outras músicas deste cantor.
    Tiritas pa este corazón partío.
    (pa este corazón)

    Ya lo ves, que no hay dos sin tres,
    que la vida va y viene y que no se detiene…
    Y, qué sé yo
    Pero miénteme aunque sea,
    dime que algo queda
    entre nosotros dos, que en tu habitación
    nunca sale el sol,
    no existe el tiempo ni el dolor.

    Llévame si quieres a perder,
    a ningún destino, sin ningún por qué.

    Ya lo sé, que corazón que no ve,
    es corazón que no siente,
    el corazón que te miente amor.
    Pero, sabes que en lo más profundo de mi alma,
    sigue aquel dolor por creer en ti,
    ¿Qué fue de la ilusión y de lo bello que es vivir?

    ¿Para qué me curaste cuando estaba herido,
    si hoy me dejas de nuevo con el corazón partío?

    (estribillo)
    ¿Quién me va a entregar sus emociones?
    ¿Quién me va a pedir que nunca le abandone?
    ¿Quién me tapará esta noche si hace frío?
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?
    ¿Quién llenará de primaveras este enero,
    y bajará la luna para que juguemos?
    Dime, si tú te vas, dime cariño mío,
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?

    Tiritas pa este corazón partío.
    Tiritas pa este corazón partío.
    (pa este corazón)

    Dar solamente aquello que te sobra,
    Nunca fue compartir, sino dar limosna, amor.
    Si no lo sabes tú, te lo digo yo.
    Después de la tormenta siempre llega la calma,
    Pero, sé que después de ti,
    Después de ti no hay nada.

    Para qué me curaste cuando estaba herío,
    Si hoy me dejas de nuevo con el corazón partío.
    (estribillo)
    ¿Quién me va a entregar sus emociones?
    ¿Quién me va a pedir que nunca le abandone?
    ¿Quién me tapará esta noche si hace frío?
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?
    ¿Quién llenará de primaveras este enero,
    y bajará la luna para que juguemos?
    Dime, si tú te vas, dime cariño mío,
    ¿Quién me va a curar el corazón partío?Curativos para este coração partido.
    Curativos para este coração partido.
    (para este coração)
    Você pode ver, que não existem dois sem três,
    que a vida vai e vem e que não se detém…
    E, o que sei eu?
    Mas minta para mim, ainda que seja,
    diga-me que resta algo
    Entre nós dois, que em seu quarto
    nunca sai o sol,
    não existe o tempo nem a dor.
    Leve-me se você quiser, a perder,
    a nenhum destino, sem nenhum por quê.
    Eu já sei que o coração que não vê
    é coração que não sente
    o coração que te mente amor.
    Mas você sabe que no fundo da minha alma,
    Continua aquela dor por crer em você,
    O que aconteceu da ilusão
    e da beleza que é viver?
    Para que me curaste quanto estava ferido
    se hoje me deixa de novo com o coração partido?
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?
    Curativos para este coração partido
    Curativos para este coração partido
    (para este coração)

    Dar somente aquilo que te sobra
    Nunca foi compartilhar, e sim dar esmola, amor.
    Se você não sabe, posso lhe dizer.
    Depois da tormenta, sempre vem a calmaria.
    Mas eu sei que depois de você,
    Depois de você não há nada
    Para que me curaste quanto estava ferido
    Se hoje me deixa de novo com o coração partido
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?
    Curativos para este coração partido.
    Curativos para este coração partido.
    (para este coração)
    Você pode ver, que não existem dois sem três,
    que a vida vai e vem e que não se detém…
    E, o que sei eu?
    Mas minta para mim, ainda que seja,
    diga-me que resta algo
    Entre nós dois, que em seu quarto
    nunca sai o sol,
    não existe o tempo nem a dor.
    Leve-me se você quiser, a perder,
    a nenhum destino, sem nenhum por quê.
    Eu já sei que o coração que não vê
    é coração que não sente
    o coração que te mente amor.
    Mas você sabe que no fundo da minha alma,
    Continua aquela dor por crer em você,
    O que aconteceu da ilusão
    e da beleza que é viver?
    Para que me curaste quanto estava ferido
    se hoje me deixa de novo com o coração partido?
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?
    Curativos para este coração partido
    Curativos para este coração partido
    (para este coração)

    Dar somente aquilo que te sobra
    Nunca foi compartilhar, e sim dar esmola, amor.
    Se você não sabe, posso lhe dizer.
    Depois da tormenta, sempre vem a calmaria.
    Mas eu sei que depois de você,
    Depois de você não há nada
    Para que me curaste quanto estava ferido
    Se hoje me deixa de novo com o coração partido
    (refrão)
    Quem vai me entregar suas emoções?
    Quem vai me pedir que nunca lhe abandone?
    Quem me cobrirá essa noite se fizer frio?
    Quem vai curar meu coração partido?
    Quem encherá de primaveras este janeiro,
    E baixará a lua para que brinquemos?
    Diga-me, se tu vais, diga-me, carinho meu,
    Quem me vai curar o coração partido?

    Plano de Aula
    Para a aula levar impressa música na versão Espanhol e a tradução.
    Na versão Espanhol apagar algumas palavras para que ao ouvir o aluno possa completar os espaços.
    O trabalho da música nas aulas de Língua Estrangeira tem o objetivo de despertar o gosto por músicas de outra cultura, tornar as aulas menos cansativas, exercitar a audição de palavras pronunciadas com rapidez ( cantadas), incentivar os alunos a ouvir músicas e tentar entender o contexto delas, trabalhar com diversos cantores para diferenciar as pronúncias.
    1- Pedir que os alunos ouçam uma vez e depois perguntar se eles conhecem a música e se sabem quem a interpreta.
    2- Apresentar uma breve biografia do autor, falar da sua cultura, cidadania e dados importantes de sua vida.
    3- Apresentar a letra da música com os espaços para que eles tentem completar. Repetir até 03 vezes.
    4- Apresentar a versão completa e perguntar se eles completaram corretamente.
    5- Deixar que cantem com a letra completa.
    6- Perguntar se conseguiram entender o significado da canção. Ouvi-los.
    7- Perguntar que tipo de emoção sentiram ao cantar a música.
    8- Apresentar a tradução e deixá-los ouvir mais uma vez.
    9- Pedir que produzam um pequeno texto em espanhol falando da sensação ao ouvir a música.
    10- Fazer as correções necessárias respeitando o sentimento de cada um.
    11- Pedir aos alunos que procurem ouvir outras músicas deste cantor.

  4. 1-O que é letramento digital?
    Primeiro, é preciso saber diferenciar alfabetização e letramento. Alfabetização é o processo no qual o aluno adquire a tecnologia de ler e escrever. Já o letramento, o aluno precisa saber como utilizá-lo nas práticas sociais, onde o aluno pode ter um conhecimento básico e usar as mídias banalmente, ou usar as mídias para tomar consciência da realidade e transformá-la. Mas, infelizmente o letramento digital ainda não está implantado nas escolas,mesmo sendo hoje presente em toda a sociedade. Com a implantação do letramento digital nas escolas, seria multiplicadas as possibilidades de ensino: a formação de redes descentralizadas para incentivar a interação; trabalhar com imagens; navegar em textos da Web; utilizar animação para simplificar atividades complicadas e propiciar aos estudantes o sentimento de serem autores de seus trabalhos, e também a aprendizagem do Ensino à Distância, porém, só o uso de mídias, não é suficiente. As novas tecnologias de aprendizado não podem revolucionar a educação sozinhas. A presença de um educador letrado digitalmente é fundamental.

    2- Na formação continuada de professores, você considera importante as TICs por quê? Você as usa na sua sala de aula?
    Se fala muito em inclusão digital. Não é atoa que estamos na era da inclusão digital. Atualmente,a mídia se transformou na mais importante ferramenta de trabalho, pesquisa, comunicação, informação e entretenimento. A rapidez, praticidade e comodidade que a tecnologia nos propõe está colaborando também no ensino e aprendizado. Atualmente, o aluno se interessa e sabe mais sobre tecnologias. Quando o educador as usa, estará se incluindo digitalmente e oferecendo uma ferramenta que o aluno se identifica. Isso também é inclusão digital. E infelizmente, ainda existem muitos educadores, que ainda não aderiram às Tics ( Tecnologia da Informação e Comunicação), e perdem a chance de ter essa praticidade e um grande aliado na hora de lecionar. Por isso, a importância das Tics na formação continuada de professores. O educador que ainda não teve a chance de aderir à tão famosa era digital, pode descobrir maneiras muito práticas, inovadoras e interessantes de ensinar,e também de aprender. Como educadora da rede pública estadual, não é muito comum o uso de Tics em sala de aula, pois o acervo digital ainda é muito escasso. Mas, utilizo das Tics de outra maneira em sala de aula, por exemplo, na hora de elaborar um plano de aula. A internet ajuda com temas variados, como usar a letra de uma música para trabalhar o vocabulário e estimular os alunos. A era da inclusão digital está sendo muito importante e acredito que ainda vai atingir todos os educadores do país, mesmo sendo de rede pública estadual ou não.

    3-Produza um texto argumentativo sobre letramento digital.
    Atualmente, a informação e o conhecimento significa incorporar a linguagem digital como requisitos fundamentais para a formação dos cidadãos. O conceito de letramento digital, refere-se também à sua aplicação no exercício de novas práticas culturais, sociais e pedagógicas. Ser letrado digitalmente significa ser sujeito diante dos sistemas informáticos hoje existentes – sejam eles um computador, uma urna de votação ou um caixa de banco. Para se incluir e usufruir no chamado ciberespaço, é fundamental o conhecimento para acessar e selecionar informações em fontes variadas, além de publicar e tornar-se também um produtor de informações e conhecimentos.

    Busque uma letra de musica na internet e monte um plano de aula em lìngua estrangeira inglês ou español.Lembrando que o plano deve contextualizar a cultura, cidadania e o  meio ambiente  com embasamento teórico. (utilize o google acadêmico.Pode ser feito em Língua materna Português do Brasil)

    Redemption Song Bob Marley

    Old pirates, yes, they rob I;
    Sold I to the merchant ships,
    Minutes after they took I
    From the bottomless pit.
    But my hand was made strong
    By the hand of the Almighty.
    We forward in this generation
    Triumphantly.

    Won’t you help to sing
    Another song of freedom
    ‘Cause all I ever have:
    Redemption songs
    Redemption songs

    Emancipate yourselves from mental slavery;
    None but ourselves can free our minds.
    Have no fear for atomic energy,
    ‘Cause none of them can stop the time
    How long shall they kill our prophets,
    While we stand outside and look
    Some say it’s just a part of it:
    We’ve got to fulfill the book.

    Won’t you help to sing
    another song of freedom
    ‘Cause all I ever have:
    Redemption songs
    Redemption songs
    Redemption songs

    (Guitar break)

    Emancipate yourselves from mental slavery;
    None but ourselves can free our mind.
    Wo! Have no fear for atomic energy,
    ‘Cause none of them-a can-a stop-a-the time
    How long shall they kill our prophets,
    While we stand aside and look?
    Yes, some say it’s just a part of it:
    We’ve got to fulfill the book.

    Won’t you help to sing
    Another song of freedom? -
    ‘Cause all I ever had:
    Redemption songs -
    All I ever had:
    Redemption songs:
    These songs of freedom,
    Songs of freedom.

    Redemption Song (tradução) Bob Marley
    Redemption Song (Canção da Redenção)

    Velhos piratas, é, eles me roubaram
    Me venderam para os navios mercantes
    Minutos depois eles me jogaram no porão
    Mas minha mão foi feita forte
    pela mão do Todo-Poderoso
    Seguimos nessa geração
    Triunfantemente.

    Você não vai ajudar a cantar
    Essas canções de liberdade?
    Porque é tudo que já tive:
    Canções de redenção
    Canções de redenção

    Emancipem-se da escravidão mental;
    Ninguém além de nós mesmos pode libertar nossa mente.
    Úh! Não tenha medo da energia atômica,
    Porque nenhum deles pode parar o tempo
    Por quanto tempo vão matar nossos profetas,
    enquanto ficamos parados olhando?
    É, alguns dizem que é só uma parte disso:
    Temos que completar o livro.

    Você não vai ajudar a cantar
    Essas canções de liberdade?
    Porque é tudo que já tive:
    Canções de redenção:
    Essas canções de liberdade,
    Canções de liberdade.

    Plano de aula: O objetivo dessa aula é mostrar aos alunos a diversidade do Inglês norte-americano, como o Black English. (Inglês dos negros). Mostrar também um pouco da história dos negros, da escravidão, da cultura afro-americana. Bob Marley que é Jamaicano, foi um cantor dos anos 70, e pode-se dizer que é um ícone da música reggae até hoje.
    Considerando a educação dos negros nos Estados Unidos, observa-se que durante a
    escravidão era ilegal ensinar os escravos a ler e escrever em todo o Hemisfério Ocidental. Considerado um dialeto, resultado de conflitos étnicos e raciais nos Estados Unidos, ou seja, por várias razões históricas, a maioria dos negros americanos falam essa variedade de inglês bastante específica e que difere da norma culta através de vocabulário, pronúncia e gramática. Este dialeto corresponde a variedades do inglês falado pelos negros dentro da comunidade falante dos Estados Unidos,decorrentes de uma língua e cultura as variedades sócio-culturais, ocorrem dentro da
    linguagem de uma comunidade específica, podendo ser influenciadas por fatores ligados
    diretamente ao falante (ou grupo que pertence), ao ambiente, à situação, ou seja, ao meio em
    que está inserido. Algumas atitudes linguisticas podem ser consideradas como armas pelos
    falantes como demarcação de seu espaço, sua identidade cultural e seu perfil de comunidade
    sob a condição de escravo. Portanto, torna-se evidente que a língua pode ser um fator
    importante na identificação de grupos sociais, um meio de demarcar diferenças entre um
    grupo e comunidades.

  5. 1-O que  é letramento digital?
    Letramento digital é usado para conceituar um processo que vai além da decodificação do sistema alfabético da escrita e incorporar a compreensão dos usos sociais da escrita . Significa não apenas saber utilizar as tecnologias digitais, mas entrar em contato com ele de maneira significativa entendendo seus usos e possibilidades em nossa vida social.
    È bom lembrar que letramento digital não vem substituir alfabetização. Letramento, segundo Magda Soares, é o estado ou condição de quem exerce as práticassociais de leitura e de escrita de quem participa de eventos em que a escrita é a parte integrante da interação entre pessoas.
    2- Na formação  continuada de professores, você considera importante as TICs por quê? Você as usa na sua sala de aula?
    Sim. Porque no mundo digital , que è mundo dageração “TEEN”, é quase que impossivel haver comunicação, interação entre professor-aluno sem que haja um conhecimento básico da tecnologia como instrumento didático durante o planejamento de aulas e trabalhos no ensino Fundamental e Médio. Eu, como professora que ministro aulas de inglês para o ensino fundamental e Médio à vinte e dois anos, tenho me sentido na obrigação de interagir na era digital, pois caso contrário me sentiria em um curto espaço de tempo um professora analfabeta digitalmente, pois sou imigrante digital, e no tocante a linguagem virtual usada pelos jovens das geração High-Tech e a digital.
    3-Produza um texto argumentativo sobre letramento digital.
    Viver no mundo globalizado, é estar sintonizado na era digital, é estar em contato com a nova geração tentando trocar experiências voltados ao mundo da tecnologia, pois esse é mundo que eles gostam de passar a maior parte do tempo, e ali eles ficam conectados com pessoas do mundo todo, pesquisam,e tem o computador como um intrumento facilitador e de”hobby”para o cotidiano do estudante do mundo atual.
    Busque uma letra de musica na internet e monte um plano de aula em lìngua estrangeira inglês ou español.Lembrando que o plano deve contextualizar a cultura, cidadania e o  meio ambiente  com embasamento teórico. (utilize o google acadêmico.Pode ser feito em Língua materna Português do Brasil)

    What A Wonderful World Louis Armstrong
    I see trees of green, red roses too.
    I see them bloom for me and you.
    And I think to myself,
    What a wonderful world.

    I see skies of blue and clouds of white,
    The bright blessed day, The dark sacred night.
    And I think to myself,
    What a wonderful world.

    The colours of the rainbow so pretty in the sky.
    Are also on the faces of people going by.
    I see friends shaking hands, saying: “How do you do?”
    They’re really saying:”I love you”.

    I hear babies cry, I watch them grow,
    They’ll learn much more, than I’ll never know.
    And I think to myself,
    What a wonderful world.

    Yes, I think to myself,
    What a wonderful world.

    What A Wonderful World (tradução) Louis Armstrong Revisar tradução Cancelar
    Vejo árvores verdes e também rosas vermelhas
    Vejo-as florescer para mim e para você.
    E eu penso comigo mesmo,
    Que mundo maravilhoso.

    Eu vejo o céu azul e nuvens brancas,
    O brilhante dia abençoado, a sagrada noite escura.
    E eu penso comigo mesmo,
    Que mundo maravilhoso!

    As cores do arco-íris, tão bonitas no céu.
    Encontram-se também nos rostos das pessoas a passar.
    Eu vejo amigos se cumprimentando, dizendo: “Como você vai?”
    Eles estão realmente dizendo: “Eu te amo”.

    Eu ouço bebês chorando, eu os vejo crescendo,
    Eles vão aprender muito mais, do que eu jamais vou saber.
    E eu penso comigo mesmo,
    Mas que mundo maravilhoso!

    Sim, eu penso comigo mesmo,
    Mas que mundo maravilhoso!

    Vejo árvores verdes e também rosas vermelhas
    Vejo-as florescer para mim e para você.
    E eu penso comigo mesmo,
    Que mundo maravilhoso.

    Sim, eu penso comigo mesmo,
    Mas que mundo maravilhoso!

    Redemption- Bob Marley

    Old pirates, yes, they rob I;
    Sold I to the merchant ships,
    Minutes after they took I
    From the bottomless pit.
    But my hand was made strong
    By the hand of the Almighty.
    We forward in this generation
    Triumphantly.

    Won’t you help to sing
    Another song of freedom
    ‘Cause all I ever have:
    Redemption songs
    Redemption songs

    Emancipate yourselves from mental slavery;
    None but ourselves can free our minds.
    Have no fear for atomic energy,
    ‘Cause none of them can stop the time
    How long shall they kill our prophets,
    While we stand outside and look
    Some say it’s just a part of it:
    We’ve got to fulfill the book.

    Won’t you help to sing
    another song of freedom
    ‘Cause all I ever have:
    Redemption songs
    Redemption songs
    Redemption songs

    Emancipate yourselves from mental slavery;
    None but ourselves can free our mind.
    Wo! Have no fear for atomic energy,
    ‘Cause none of them-a can-a stop-a-the time
    How long shall they kill our prophets,
    While we stand aside and look?
    Yes, some say it’s just a part of it:
    We’ve got to fulfill the book.

    Won’t you help to sing
    Another song of freedom? -
    ‘Cause all I ever had:
    Redemption songs -
    All I ever had:
    Redemption songs:
    These songs of freedom,
    Songs of freedom.

    Redemption Song (tradução) Bob Marley Revisar tradução
    Redemption Song (Canção da Redenção)

    Velhos piratas, é, eles me roubaram
    Me venderam para os navios mercantes
    Minutos depois eles me jogaram no porão
    Mas minha mão foi feita forte
    pela mão do Todo-Poderoso
    Seguimos nessa geração
    Triunfantemente.

    Você nao vai ajudar a cantar
    Essas canções de liberdade?
    Porque é tudo que já tive:
    Canções de redenção
    Canções de redenção

    Emancipem-se da escravidão mental;
    Ninguém além de nós mesmos pode libertar nossa mente.
    Úh! Não tenha medo da energia atômica,
    Porque nenhum deles pode parar o tempo
    Por quanto tempo vão matar nossos profetas,
    enquanto ficamos parados olhando?
    É, alguns dizem que é só uma parte disso:
    Temos que completar o livro.

    Você nao vai ajudar a cantar
    Essas canções de liberdade?
    Porque é tudo que já tive:
    Canções de redenção:
    Essas canções de liberdade,
    Canções de liberdade.

    Plano de aula: O objetivo dessa aula é mostrar aos alunos a diversidade do Inglês norte-americano, como o Black English. (Inglês dos negros). Mostrar também um pouco da história dos negros, da escravidão, da cultura afro-americana. Bob Marley que é Jamaicano, foi um cantor dos anos 70, e pode-se dizer que é um ícone da música reggae até hoje.
    Considerando a educação dos negros nos Estados Unidos, observa-se que durante a
    escravidão era ilegal ensinar os escravos a ler e escrever em todo o Hemisfério Ocidental. Considerado um dialeto, resultado de conflitos étnicos e raciais nos Estados Unidos, ou seja, por várias razões históricas, a maioria dos negros americanos falam essa variedade de inglês bastante específica e que difere da norma culta através de vocabulário, pronúncia e gramática. Este dialeto corresponde a variedades do inglês falado pelos negros dentro da comunidade falante dos Estados Unidos,decorrentes de uma língua e cultura as variedades sócio-culturais, ocorrem dentro da
    linguagem de uma comunidade específica, podendo ser influenciadas por fatores ligados
    diretamente ao falante (ou grupo que pertence), ao ambiente, à situação, ou seja, ao meio em
    que está inserido. Algumas atitudes linguisticas podem ser consideradas como armas pelos
    falantes como demarcação de seu espaço, sua identidade cultural e seu perfil de comunidade
    sob a condição de escravo. Portanto, torna-se evidente que a língua pode ser um fator
    importante na identificação de grupos sociais, um meio de demarcar diferenças entre um
    grupo e comunidades.

  6. odiei isto bem fala tudo certinho mais e muito formal e as crianças e jovens n intendem muito essa linguagel formal de adulto entao voces devias escrever com palavras mais simples por isso nao gostei


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: